Roteiro de 3 dias em Viena

Sempre que vou fazer um roteiro para alguma cidade pesquiso bastante qual a quantidade de dias ideal para ver “tudo” que tem que ver. Sempre acontece de no último dia eu descobrir várias outras coisas para fazer e não ter mais tempo, mas é sempre uma boa desculpa para voltar. Com Viena não foi diferente. A cidade é muito tranquila de visitar. Tudo muito civilizado e boa parte do passeio turístico é possível fazer a pé ou com os metrôs e trams que funcionam super bem. Decidi que ficaria 3 dias por lá e este foi o meu roteiro dia-a-dia.

Roteiro de 3 dias em Viena

1° dia

Cheguei na cidade depois do almoço, então tive apenas a tarde/noite para passear. Comecei pelo centro de Viena visitando a Stephansdom (Catedral de Santo Estevão), a famosa catedral em estilo gótico com um “telhado” incrível. É possível subir na torre da Catedral para ter uma vista dessa parte da cidade. Atrás da Catedral está a famosa Casa de Mozart, que é uma das atrações da cidade.

A Catedral de Santo Estevão e seu famoso telhado.

A região de Santo Estevão é onde fica o comércio principal e é por lá que encontra-se lojas como Zara, Topshop, etc. Depois segui para o Complexo Hofburg, que tem jardins incríveis, restaurantes, cafés e um dos blocos do complexo é o MuseumsQuartier, um quarteirão só com museus. Pelo horário não pude visitar, mas já estava programado de voltar lá.

Detalhes do Palácio de Hofburg.

2° dia

Tirei o segundo dia para fazer coisas mais afastadas do centro da cidade. A primeira parada foi o Schloss (Castelo) Schönbrunn. Para chegar lá é só pegar o metrô U4 até a parada Schloss Schönbrunn. O preço do ingresso varia bastante, mas é a partir de €13,30 e os tipos de tour podem ser vistos no site deles. Depois segui para o Schloss Belvedere. Na estação Schönbrunn peguei a linha U1 cor vermelha e desci na estação de Sudtiroler Platz, De lá é só caminhar 5 minutos e chega no Belvedere. As opções de tickets também são variadas e tem todas as informações aqui, mas a visita completa de todo o castelo custa 20 euros para um adulto.

No Palácio de Schönbrunn.
Parte traseira do Palácio de Belvedere.

Em seguida fui para o Karlskirche, uma igreja barroca incrível que possui também um elevador panorâmico com vista para a cidade. Para chegar lá é só pegar o metrô: U1 ou U4 para Karlsplatz. Depois para o Wiener Konzerthaus, a casa de orquestra da cidade e depois para a famosa Vienna State Opera, onde é possível, também, fazer visitas guiadas no interior.

A Ópera de Viena.

3° dia

No terceiro dia comecei pelo MuseumsQuartier – complexo de museus – visitando o Kunsthistorisches Museum que é o Museu de História da Arte de Viena (metrô U2 ou U3 atéVolkstheater) e é incrível. Depois segui caminhando para o MUMOK, o Museu de Arte Moderna e Contemporânea que também vale muito a pena.

O interior do Kunsthistorisches Museum.

Do MUMOK segui caminhando para o Museu Albertina (metrô U1, U2 ou U4 atéKarlsplatz) que hoje considero como um dos meus museus preferidos no mundo e já até fiz um post dedicado só para ele aqui. Depois de dedicar algumas horas ao Albertina fui para o Rathaus um palácio incrível que hoje funciona a Prefeitura de Viena (metrô U2 até Rathaus). Quando fui estava acontecendo o Wiener Eistraum, um festival de inverno incrível que já falei sobre aqui.

A fachada do Museu Albertina.

Viena é uma cidade incrível e que pretendo com certeza voltar. Não visitei todos os pontos que pretendia como: Sigmund Freud Museum, a casa de Freud (metrô U2 atéSchotenor em seguida pegar o tram D até Schilickgasse), o Hundertwasserhaus (metrô U4 atéSchwedenplatz, depois tram N até Hetzgasse) que é um prédio super interessante com uma proposta arquitetônica muito legal. Além dessas também queria ter visitado a Donauturm uma torre de 252 metros de altura que é possível admirar a cidade inteira de Viena (programa melhor para o verão) e o Leopold Museun também no MuseumsQuartier, mas que estava fechado quando fui e tem obras incríveis de  Gustav Klimt.

Viena não é uma cidade grande, portanto praticamente todas essas atrações ficam bem perto umas das outras e podem ser feitas a pé.

Leia também

Anne Frank House – a melhor forma de visitar

Albertina, o museu mais lindo do mundo em Viena

O melhor hostel da vida em Copenhagen

Wiener Eistraum, o festival de inverno mais legal de Viena

Restaurante em Viena perto da Ópera

Albertina, o museu mais lindo do mundo em Viena

Se tem uma coisa que tenho certeza sobre Viena é que essa cidade respira arte. Diferente de muitas outras capitais europeias que podemos ver claramente resquícios da guerra, de tristeza e do terror, em Viena vemos arte. Em todos os lados. A cidade não escapou dos danos da guerra, mas soube se reerguer e reconstruir como nenhuma outra que visitei. É um museu a céu aberto com construções belíssimas, jardins maravilhosos e palácios exuberantes. Claro que não é totalmente assim, a região que fiquei, por exemplo, não era, mas durante o dia passeava na área central e era só isso que via, sem exagero.

Na área bem central da cidade, coladinho na famosa Ópera está o Albertina, um desses “palácios exuberantes” que hoje abriga uma coleção de arte incrível e imperdível. Faz jus ao título do post: Albertina, o museu mais lindo do mundo em Viena

IMG_0682

Monet, Picasso, Renoir, Miró, Rodin, Manet, Da Vinci, Degas são alguns dos nomes cujas obras estão expostas por lá. Além de ter alguns dos artistas mais consagrados da história da arte, no Albertina podemos visitar vários quartos e salas do palácio que é maravilhoso.

IMG_0707 IMG_0710

IMG_0688

É imperdível mesmo. Não tem como ir à Viena e não visitar o Albertina. O ingresso custa 12,60 euros por adulto e é adquirido lá na hora ou por esse site. Vale cada centavo, juro!

IMG_0694 IMG_0696

Horários de funcionamento do Albertina:

Todos os dias: 10 às 18 | Quarta-feira: 10 às 21

Leia também

Anne Frank House – a melhor forma de visitar

Como ir do aeroporto de Copenhagen ao centro

Genebra – dicas, o que fazer e como ir

Vídeo – 3 dias em Copenhagen

O melhor hostel da vida em Copenhagen