Museu da Cidade de Nova York

A fachada do Museu da Cidade de Nova York é muito conhecida: é lá onde era supostamente a escola da série Gossip Girl. Por ter sido uma série que fez muito sucesso, muita gente vai lá tirar uma foto em sua escadaria e nem se interessa em saber o que tem dentro ou o que o edifício é de fato.

Museu da Cidade de Nova York

Fachada do Museum of the City of New York na 5ª Avenida.

O Museu da Cidade de Nova York é um museu inteiramente dedicado à cidade com várias exposições que contam um pouco da história da cidade ou de artistas nova-iorquinos. Uma das coisas mais legais que vi lá foi um filme de 28 minutos sobre a criação da cidade desde a chegada dos holandeses e outros europeus além de africanos e povos de diferentes lugares explicando a história de cada região da cidade e o motivo de ter imigrantes de um tal lugar em determinados bairros. Nas duas vezes que fui lá eu assisti e é muito legal!

153 167

No museu existe uma exposição fixa chamada “Activist New York” que mostra um pouco de várias situações de ativismo na cidade como “Revivendo o South Bronx”, “Mulheres sufragistas” e “Ativismo conservador”.

160 161

164 169

Além das exposições fixas eles sempre têm exposições que variam, mas todas de artistas de Nova York ou que contem a história da cidade.

175 177

O Museu da Cidade de Nova York é incrível e vale muito a visita para quem ama NY ou para quem quer conhecer mais da história dessa cidade única. O ingresso para entrar no museu é “pay what you wish”, ou seja, você paga quanto achar que deve e o valor sugerido é de U$18.

No site oficial do museu é possível ver todas as exibições atuais e próximas. Ele fica na 5ª Avenida número 1220 na frente do Central Park e bem perto do Metropolitan Museum, portanto é legal incluir os dois no mesmo dia!

Leia também:

Como visitar o Centro Islâmico de Nova York

The Cloisters, o museu do MET em um castelo medieval

Um dia no Brooklyn – Ponte, DUMBO e Williamsburg

The Market NYC – Village

23 passeios para se fazer de graça em Nova York

Casa Fernando Pessoa e Fundação José Saramago em Lisboa

Portugal foi berço de dois dos maiores escritos de toda literatura: Fernando Pessoa e José Saramago. Na capital do país, suas histórias são lembradas por meio de instituições que ressaltam suas obras e suas vidas. São elas a Casa Fernando Pessoa e A Fundação José Saramago em Lisboa.

É um passeio muito legal e emocionante pra quem gosta de literatura e pra quem quer saber mais da vida dos dois escritores.

Casa Fernando Pessoa

IMG_5797 IMG_5801

A Casa Fernando Pessoa foi a residência onde Fernando Pessoa morou nos últimos 15 anos da sua vida (1920-35), em Campo de Ourique, bairro residencial de Lisboa. Hoje é uma casa de cultura, onde se pode visitar o quarto do poeta com a cômoda original onde Pessoa deu voz aos seus principais heterônimos.

A Casa é uma espécie de museu, com exposições bastante interativas que contam a história de vida de Fernando Pessoa. Além disso lá estão vários objetos pessoais dele como sua máquina de escrever, seus óculos, seus blocos de anotações e a sua biblioteca particular, digitalizada e disponível para consulta online.

IMG_5802 IMG_5804

O ingresso custa 3 euros e é possível também marcar uma visita guiada especializada em poesia e em Fernando Pessoa pelo site.

A Casa funciona de segunda a sábado, das 10 às 18 (última entrada: 17h30). Lá tem também um restaurante o, Flagrante Delitro. O endereço é Rua Coelho da Rocha, 16, Campo de Ourique. Fica em uma região mais afastada da parte turística de Lisboa. Para chegar lá é possível ir de ônibus ou de táxi, que é uma opção bem barata na cidade e foi a minha opção.

Fundação José Saramago

IMG_5830 IMG_5829

A Fundação José Saramago é uma instituição que abriga várias exposições sobre o escritor português e a literatura portuguesa. São várias exibições sobre a vida de Saramago, com suas obras, cartas e fotos pessoais. Logo na frente da Fundação existe uma Oliveira plantada e é lá onde estão enterradas as cinzas do escritor.

IMG_5827 IMG_5828

O bilhete custa 3 euros e o endereço é Rua dos Bacalhoeiros, 10, bem próximo à Praça do Comércio. O horário de funcionamento é de segunda a sábado, das 10 às 18 (última entrada: 17h30).

Leia também:

O melhor pastel de nata de Portugal

Onde comer o tradicional pastel de bacalhau em Lisboa

Dica de restaurante em Lisboa

Apart-hotel em Lisboa

LX Factory – antiga fábrica com lojas e restaurantes em Lisboa

The Cloisters, o museu do MET em um castelo medieval

O The Met é um grupo de três museus em Nova York, são eles, o mais famoso, The Metropolitan Museum of Art, o The Met Breuer e também o The Cloisters. O The Cloisters é o menos conhecido por ficar bem distante da área central e mais turística de Manhattan.

451 

O The Cloisters é um museu de arte medieval localizado em um castelo incrível no Fort Tryon Park no norte de Manhattan. O museu possui mais de 2.000 peças medievais expostas em vários ambientes do castelo.

433 434

435 446

Além do museu em si o castelo já é uma super atração e já vale a visita além de ter uma vista incrível para o Rio Hudson. O The Cloisters fica aberto todos os dias da semana e de Março a Outubro funciona de 10 às 17:15 e de Novembro a Fevereiro de 10 às 16:45.

Como chegar no The Cloisters 

A maneira mais fácil de chegar no museu é pegando a linha A (azul) Uptown em direção a Inwood e sair na 190th. De lá sair da estação pelo elevador e pegar o ônibus M4 que deixará na porta do The Cloisters ou andar na direção norte (a direita de quando sair da estação) pela Margaret Cobin Drive por aproximadamente 10 minutos.

427 429

Assim como todos os museus do The Met o ingresso é “pay what you wish”, ou seja, você determina quanto pode pagar.

Endereço:

99 Margaret Corbin Drive
Fort Tryon Park
New York, NY 10040

Leia também

O melhor cookie de Nova York

Como ir de Nova York para Washington

Hostel em Nova York

5 atrações para não deixar de ver no MET

Um dia no Brooklyn – Ponte, DUMBO e Williamsburg

23 passeios para se fazer de graça em Nova York

Albertina, o museu mais lindo do mundo em Viena

Se tem uma coisa que tenho certeza sobre Viena é que essa cidade respira arte. Diferente de muitas outras capitais europeias que podemos ver claramente resquícios da guerra, de tristeza e do terror, em Viena vemos arte. Em todos os lados. A cidade não escapou dos danos da guerra, mas soube se reerguer e reconstruir como nenhuma outra que visitei. É um museu a céu aberto com construções belíssimas, jardins maravilhosos e palácios exuberantes. Claro que não é totalmente assim, a região que fiquei, por exemplo, não era, mas durante o dia passeava na área central e era só isso que via, sem exagero.

Na área bem central da cidade, coladinho na famosa Ópera está o Albertina, um desses “palácios exuberantes” que hoje abriga uma coleção de arte incrível e imperdível. Faz jus ao título do post: Albertina, o museu mais lindo do mundo em Viena

IMG_0682

Monet, Picasso, Renoir, Miró, Rodin, Manet, Da Vinci, Degas são alguns dos nomes cujas obras estão expostas por lá. Além de ter alguns dos artistas mais consagrados da história da arte, no Albertina podemos visitar vários quartos e salas do palácio que é maravilhoso.

IMG_0707 IMG_0710

IMG_0688

É imperdível mesmo. Não tem como ir à Viena e não visitar o Albertina. O ingresso custa 12,60 euros por adulto e é adquirido lá na hora ou por esse site. Vale cada centavo, juro!

IMG_0694 IMG_0696

Horários de funcionamento do Albertina:

Todos os dias: 10 às 18 | Quarta-feira: 10 às 21

Leia também

Anne Frank House – a melhor forma de visitar

Como ir do aeroporto de Copenhagen ao centro

Genebra – dicas, o que fazer e como ir

Vídeo – 3 dias em Copenhagen

O melhor hostel da vida em Copenhagen

Anne Frank House – a melhor forma de visitar

Sempre tive um interesse muito grande pela história da Segunda Guerra, dos personagens e da história individual de cada pessoa que viveu naquele período. É claro que temos acesso a poucas histórias, mas as poucas que temos eu procuro e leio. A principal e mais conhecida delas é a da Anne Frank.

Seu diário conta a história do período em que ela e sua família viveram escondidos no “Anexo Secreto”, o esconderijo que hoje é o museu “Anne Frank House”. Otto, pai de Anne, foi o único dos moradores do anexo que sobreviveu à Guerra e, em 1960 o Diário de Anne se popularizou e seu pai resolveu fazer do Anexo, um museu.

O museu

Quando os guardas da S.S. invadiram o anexo e a família Frank e os outros moradores de lá foram levados aos campos de concentração, eles levaram, além das pessoas, todos os móveis da casa, para que fossem vendidos. Seguindo o pensamento nazista de que deveriam tirar tudo dos judeus, desde seus bens, até sua vida.

Sendo assim, após a decisão de Otto de que tudo deveria permanecer da forma que deixaram, na Casa de Anne Frank não existem móveis.

O museu é cheio de fotos, vídeos e histórias de Anne e sua família e na última sala está exposto o seu diário. É emocionante.

IMG_2026
Foto tirada a partir da faixada da Anne Frank House.

Ingressos – qual a melhor forma de visitar?

Na minha primeira vez em Amsterdam vi a casa de Anne só da faixada, pois a fila para o museu era quilométrica e não tinha condição de esperar já que existe um número determinado de pessoas que podem entrar lá por vez. Por isso, ao planejar minha ida dessa vez decidi que queria comprar o ingresso com antecedência, para não deixar de ir.

A melhor forma é comprar pelo site do museu. Pelo site é necessário agendar um dia e um horário para a visitação, portanto tudo já deve estar planejado. O preço do ingresso por adulto é de 9 euros e deve ser impresso e entregue na porta com 15 minutos de antecedência do horário comprado.

Não é permitido tirar fotos da casa, mas como o meu ticket incluía uma introdução de 30 minutos em inglês antes, eu tirei na sala que era permitido.

Esse era o único ticket disponível no dia e custa 14 euros. Eles contam a história da família e da guerra. É bom para quem nunca leu o livro ou quem não é familiarizado com a história da Segunda Guerra, pois dizem apenas o básico, eu, por exemplo, não vi nada de novo.

Foto da linha do tempo na sala de introdução do Museu.
Foto da linha do tempo na sala de introdução do Museu.

Leia também

Bruges e Gent em um dia 

Onde ficar em Londres

Genebra – dicas, o que fazer e como ir

Como ir do aeroporto de Copenhagen ao centro

Curso de francês em Paris

 

5 atrações para não deixar de ver no MET

O MET, Metropolitan Museum of Art, é o museu mais famoso de Nova York. Está em um dos bairros mais luxuosos da cidade, o Upper East no entorno do Central Park. O museu tem de tudo, arte moderna, arte islâmica, moda, arte grega, romana… E por isso tanto sucesso: agrada todos os públicos. 

IMG_5570 IMG_5587

Apesar de não ser o meu caso, selecionei 5 atrações imperdíveis no MET para quem não é fã de museu e não quer “perder tempo” vendo o desnecessário.

1. The Costume Institute

Quem gosta de moda não pode deixar de conferir essa exposição. Ela está sempre mudando, quando eu fui era um especial sobre a China, sobre curadoria de Anna Wintour, a editora-chefe da Vogue americana, super renomada no mundo da moda.

IMG_5956 IMG_5955

2. European paintings

A parte de pinturas de artistas europeus. É ai que vemos os quadros mais importantes de pintores como Van Gogh e Monet. É lindo demais.

IMG_5958

3. Islamic Art

Sou apaixonada pela cultura islâmica e essa parte do museu para quem gosta ou para quem não conhece muito bem o tipo de arte é muito legal. São várias obras islâmicas, tapetes, quadros, pinturas e tem até a reprodução de um quarto da casa de um antigo rei. Eles refizeram da mesma forma que era e é maravilhoso. Não pode deixar de conferir.

Processed with VSCOcam with m3 preset

4. Greek and Roman Art 

É ai que estão as famosas esculturas gregas e romanas. Elas ficam dispostas em várias áreas do museu, porém concentradas na sessão exclusiva de arte greco-romana.

metropolitan-museum-of-art-greek-and-roman-collection-guided-tour_medium-7178
Imagem: Reprodução

5. European sculpture and decorative arts

Incluem esculturas de vários tamanhos, arte em madeira, móveis, cerâmicas e vidros, jóias, instrumentos matemáticos, tecidos e tapetes. Vários deles eram produtos exportados da Ásia ou da América Latina. Muito interessante e é uma aula de história.

ESDA
Imagem: Reprodução

Leia também

O melhor cookie de Nova York

Como ir de Nova York para Washington

Hostel em Nova York

A melhor pizza de Nova York

Six Flags, New Jersey – como ir e o que fazer

O que fazer em Washington em 1 dia 

Smorgasburg, feira gastronômica no Brooklyn